Operação ‘Overlord’ resulta nas prisões de quatro infratores investigados em pelo menos oito homicídios, na zona leste

Foto: Erlon Rodrigues/PC-AM

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), deflagrou na manhã desta quinta-feira (18/06) a operação “Overlord”, que resultou no cumprimento de mandados de prisão temporária em nome de quatro indivíduos investigados por integrarem um grupo criminoso, responsável pela execução de oito pessoas na zona leste da cidade.

Sob o comando da delegada-geral Emília Ferraz, a ação policial foi coordenada pelo delegado Alessandro Albino, diretor do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM) e pelos delegados Paulo Martins e Charles Araújo, titular e adjunto, respectivamente, da DEHS.

De acordo com o delegado Paulo Martins, na ocasião da ação policial, foram cumpridos mandados de prisão temporária, com validade de 30 dias, em nome de Alex Silva Nascimento, de 18 anos; Alysson Pereira da Silva, 40; Clério Silva dos Santos, 54, e do filho dele, Thiago Silva dos Santos, 20. Os infratores foram presos em pontos distintos do bairro Armando Mendes, na mesma zona em que os crimes foram cometidos.

O titular da Especializada explicou ainda que as equipes da unidade policial seguem em diligências para localizar dois foragidos. “Garanto que a DEHS continuará se empenhando para localizar, o quanto antes, outros dois integrantes do grupo identificados como Myguel Moreira Sabino e Adenilson de Souza Carvalho, conhecido como ‘Pepeu’, apontado como o líder do grupo criminoso e o nosso principal alvo”, afirmou Martins.

A delegada-geral Emília Ferraz destacou o empenho da PC-AM em trabalhar, cada vez mais, para realizar a captura de infratores. “Mais uma ação policial deflagrada pela nossa instituição em que retiramos do convívio social um grupo criminoso que exercia um poder considerável nessa área de Manaus. E assim continuaremos a fazer, para garantir que infratores paguem pelos delitos que cometerem”, disse Ferraz.

Conforme o adjunto da DEHS, delegado Charles Araújo, a maioria dos homicídios está relacionada à disputa por territórios de tráfico de drogas na zona leste da capital. As investigações acerca do envolvimento do grupo nesses delitos, cometidos entre 2016 e janeiro deste ano, tiveram início há cerca de cinco meses.

O delegado Araújo explicou que os infratores planejavam também a morte de quem atrapalhava o comércio de entorpecentes praticado por eles. “Algumas das vítimas foram mortas porque haviam cometido furtos na área comandada pelo grupo. E, para evitar chamar a atenção das autoridades em decorrência desses furtos, o grupo criminoso decidia executar quem praticava esse delito naquela localidade”, explicou Charles.

As vítimas

O delegado Charles Araújo ressaltou que os indivíduos estão sendo investigados pelas mortes de, pelo menos, oito pessoas: Luiz Felipe Marques Protázio e Chester Roberto dos Santos Brito, em 2016; Keverson Dantas Batista, em 2017; Rossini da Silva Roberto, em 2018; Joel de Souza e Sousa, Maicon Nik Kevin Videira Bastos e Marcos Vinicius Lima dos Santos, em 2019; e Marcos Bruno do Amaral Morais, em janeiro deste ano.

Ordem judicial

Os mandados de prisão em nome dos quatro integrantes que foram presos foram expedidos nesta segunda-feira (15/06), pelo juiz Jamie Oliveira dos Santos, da Central de Inquéritos.

Procedimentos

Clério será indiciado somente pelo homicídio de Marcos Bruno, enquanto os demais serão indiciados pelas oito mortes. Após os procedimentos cabíveis na DEHS, eles serão encaminhados para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde irão ficar à disposição da Justiça.

Comentários