No Amazonas, Justiça condena ex-desembargador a 47 anos de prisão por abuso sexual da neta


O juiz Ian Andrezzo Dutra, da Vara de Crimes contra a Dignidade Sexual de Crianças e Adolescentes, do Tribunal de Justiça do Amazonas, condenou o ex-desembargador Rafael Romano a  47 anos de prisão no processo em que ele é acusado de abusar sexualmente da neta, ainda em 2009. A vítima tinha apenas sete anos de idade na época.

Rafael Romano se declarou inocente das acusações e vai recorrer da decisão.

Carreira no Juizado da Infância e Juventude
Rafael Romano entrou na magistratura em 1977 e atuou por três décadas como Juiz da Infância e Juventude, até ser promovido a desembargador em 2008 pelo critério de antiguidade. Em 2014, ainda como desembargador, foi o relator do caso e autor do voto que condenou o ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro, a 10 anos e 11 de meses de prisão por pedofilia. Na mesma época, foi o relator da ação originária da Operação Estocolmo, que investigou uma rede de exploração sexual infanto-juvenil no Amazonas. 

No fim de 2015, Romano se aposentou como desembargador ao completar 70 anos de idade.

Comentários