Governo do Amazonas lança segunda fase da pesquisa de impacto da Covid-19 na Cultura e Economia Criativa

Foto: Michael Dantas/Secom

O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, lança, nesta quarta-feira (03/06), a segunda etapa da pesquisa de impacto da Covid-19 na produção cultural e criativa, no estado do Amazonas, após as medidas que suspenderam eventos e fecharam espaços culturais em prevenção à doença. O objetivo é obter dados que auxiliem em decisões mais eficientes no combate à crise do setor. A primeira etapa ainda pode ser acessada e respondida no Portal da Cultura (cultura.am.gov.br).

O estudo abrange três fases. A primeira fase foi destinada aos artistas e profissionais da cultura, abordando questões como atividade praticada, frequência destas atividades, estimativa da perda de renda por não poder trabalhar, os espaços onde se apresentavam, a categoria e linguagem artística, entre outros fatores. A segunda fase será focada em equipamentos culturais e gestores de órgãos e instituições.

“Nesta segunda fase, vamos tentar mensurar qual o impacto da pandemia nos espaços culturais públicos ou privados. As questões abordam a esfera em que atuam, quantos colaboradores trabalham no local, as ações que tiveram que ser canceladas ou suspensas, quais profissionais contrata para os eventos, entre outras questões mais específicas”, ressalta o economista e artista plástico Turenko Beça, assessor de Economia Criativa.

A segunda fase ficará disponível por todo o mês de junho e para responder, basta acessar a homepage do Portal da Cultura. A terceira fase será lançada em julho, sendo destinada aos profissionais que fazem parte da cadeia da cultura e economia criativa de forma indireta.

“A terceira fase tem como foco os técnicos de som, de iluminação, produtores, assistentes, gráficas e tantos outros profissionais que são de suma importância para o cenário cultural. Desta forma, teremos uma visão mais abrangente sobre as consequências da pandemia no setor”, afirma o secretário de Cultura e Economia Criativa, Marcos Apolo Muniz.

Comentários