Fumantes têm mais chances de desenvolver problemas sexuais ao longo dos anos




Homens e mulheres fumantes têm o dobro de chances de desenvolverem, em longo prazo, problemas de desempenho sexual, como disfunção erétil e dificuldades em sentir prazer durante o ato, se comparados aos não fumantes. De acordo com o cirurgião urologista da Urocentro Manaus, Dr. Giuseppe Figliuolo, isso ocorre porque o cigarro é composto por substâncias consideradas vasoconstritoras, as quais reduzem o fluxo sanguíneo, inclusive nos órgãos genitais.

No último dia 31, comemorou-se o Dia Mundial Sem Tabaco, uma iniciativa que busca conscientizar a população sobre os riscos ocasionados pelo tabagismo e reforçar a importância de se abandonar a dependência. No campo da urologia, pesquisas recentes mostram que as chances de um fumante do sexo masculino ter impotência sexual são de até 85%, dependendo do tempo de dependência.

vasoconstrição é o processo de contração das fibras musculares dos vasos sanguíneos, provocando o estreitamento e a redução do fluxo. Esse processo pode acarretar, entre outros problemas, no aparecimento de doenças cardiovasculares, como AVCs e as coronarianas, por exemplo.

O tabagismo deixa as artérias entupidas e com pouca dilatação, diminuindo o fluxo nos vasos sanguíneos da estrutura peniana. È o mesmo que ocorre, por exemplo, com as coronárias com o consumo em longo prazo. O que deve ser considerado, nesses casos, é o consumo diário do cigarro”, explica Figliuolo.

Figliuolo, que é doutor em saúde coletiva, explica que para manter a ereção, o pênis precisa aumentar o fluxo sanguíneo. Com a redução do fluxo, pode ocorrer a impotência sexual. Outro fator que impacta na saúde sexual masculina é a ocorrência de hipertensão e do diabetes, ambos fatores que dificultam a ereção e que podem estar relacionados ao tabagismo.

Distúrbios psicológicos, doenças hormonais (queda de testosterona, problemas endócrinos), neuropatias (lesões na medula, mal de Alzheimer e Parkinson), também são fatores de risco para a disfunção erétil.

Tratamento

O tratamento para a disfunção erétil pode ser feito de forma medicamentosa, suporte psicológico, reposição hormonal e até ondas de choque de baixa freqüência.

A tecnologia de ponta denominada Aires Shock Wave, à base de ondas de choque extracorpóreas de baixa intensidade, é um dos tratamentos não invasivos e está disponível em Manaus.

O aparelho Dornier Aires, disponível na Urocentro, é utilizado para emitir estímulos por meio de ondas que ajudam a corrigir a disfunção erétil no tecido peniano e pélvico, resultando no aumento do fluxo sanguíneo, fator necessário para atingir e manter uma ereção suficiente para o desempenho sexual.


Comentários