FVS estima mais de 60 mil não identificados com o novo Coronavírus no Amazonas

Foto: Divulgação

A diretora-presidente da Fundação de Vigilância Sanitária, Rosemary Pinto, estima que haja mais de 60 mil casos não identificados de covid-19 no Amazonas, que podem transmitir a doença. Oficialmente o Estado está com mais de 14 mil casos confirmados e 1.098 mortes, segundo a última atualização do boletim epidemiológico. O anúncio aconteceu durante coletiva de imprensa online do Governo do Amazonas, na noite de terça-feira (12). Ainda segundo Rosemary, o número de casos do novo coronavírus pode aumentar consideravelmente, caso a população não respeite o isolamento social e as prevenções recomendadas. 

A diretora-presidente afirmou que houve uma queda no número de internações, óbitos, casos e sepultamentos no Amazonas, porém isso não significa que está descartada a possibilidade da doença atingir um novo pico de casos. Para que isso seja evitado, é necessário que a população obedeça as medidas de isolamento social e prevenção ao coronavírus. 

Além disso, Rosemary informou que o isolamento social no Amazonas, teve média de 40%. O ideal é que a média chegue a 70% de isolamento da população para que haja uma diminuição considerável de casos de covid-19. “Nós podemos, inclusive, ter um segundo pico, que pode ser tão preocupante quanto o das últimas semanas. Tudo vai depender do quão bem sucedidos nós seremos em manter o isolamento social e o uso das máscaras. A redução do número de casos certamente tem a ver com essas medidas”, afirmou a titular da Fundação.

A coletiva online que também contou com a presença do Governador do Amazonas, Wilson Lima e da Secretária da Susam, Simone Papaiz, ainda divulgou a prorrogação, até o dia 31 de maio, a suspensão do funcionamento de todos os estabelecimentos comerciais e de serviços não essenciais e de recreação e lazer. E também de um novo decreto que estabelece uso obrigatório de máscara e penalidades, como multa diária de R$ 50 mil para pessoas jurídicas que não cumprirem as determinações.

Comentários