Conselheiro do TCE, pai de Josué Neto demonstra ser contra o filho no cargo de governador



Ao que tudo indica, nem o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), Josué Cláudio de Souza Filho, acha apropriado neste momento o pedido de impeachment contra o governador do Estado, Wilson Lima (PSC), e seu vice, Carlos Almeida, os quais seriam substituídos pelo filho dele, o presidente da Assembleia Legislativa (Aleam), Josué Neto (sem partido).

Em um comentário ao vivo, feito na manhã desta segunda-feira, 12, durante um programa na rádio Difusora, de propriedade da família, o conselheiro frisou que "cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém", em uma referência ao pedido de impeachment, aceito monocraticamente pelo filho dele, há alguns dias, na Casa Legislativa. Em caso de cassação, o próprio Josué Neto seria o único beneficiado, pois assumiria a cadeira de governador na ausência de Lima.

Josué Filho explicou que não há sequer legislação que ampare o pedido de impeachment contra o vice-governador, Carlos Almeida, a não ser em caso de crime eleitoral, o que não se aplica à situação em análise.

Nas palavras do conselheiro, "não custa nada atrasar um pouquinho o processo e dar mais prazo" para a análise do pedido em plenário, deixando que a administração estadual foque seus esforços no combate à pandemia do novo coronavírus, que já registra mais de 12 mil casos no Amazonas e mais de mil mortes. 

O pedido foi protocolado pelo presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas, Mário Viana, alegando omissão na saúde pública, e desconsiderando as medidas adotadas pelo Governo do Estado, para o enfrentamento à pandemia, como o aporte de quase R$ 170 milhões para ações de combate à disseminação da doença, ampliação de leitos, contratação de profissionais, aquisição de insumos e a abertura de um hospital de campanha, que pode chegar à marca de 500 leitos, dependendo da demanda.

Na manhã desta terça-feira, em sessão na Aleam, Josué fracassou na criação de uma comissão para a análise do pedido de impeachment, tendo a maioria do plenário, composto por 24 deputados estaduais, contra sua participação no processo. Um pedido para o seu afastamento foi encaminhado à mesa diretora, tendo em vista o evidente conflito de interesses associado à participação de Josué.

Comentários