UEA implanta disciplina de Direito Pesqueiro no curso de Direito em Manaus

UEA implanta disciplina de Direito Pesqueiro no curso de Direito em Manaus


Diante dos contextos sociais, culturais e econômicas da Amazônia, a pesca tem crescido cada vez mais, devido à grande diversidade e produtividade associadas à utilização e disputa desses recursos. Para debater esse cenário no ambiente universitário, o professor mestre em Direito Ambiental da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Denison Melo de Aguiar, planejou a implantação da disciplina de Direito Pesqueiro na grade curricular.
“Eu coordeno a Clínica de Mecanismos de Soluções de Conflitos da UEA e sempre pesquisei muito sobre os conflitos socioambientais na Amazônia. Foi assim que veio a ideia da criação da disciplina, bem como ser o tema da minha dissertação. A pesca é uma das principais fontes da renda amazônica, e nós precisamos formar alunos que tenham essa visão do direito pesqueiro e que saibam trazer soluções no ramo”, explicou Aguiar.
A disciplina é optativa, e já foi implantada na grade curricular, devidamente aprovada pelo Núcleo Docente Estruturante do curso de Direito. As duas primeiras turmas são do primeiro semestre de 2020. Atualmente, 20 alunos já estão matriculados e distribuídos nelas.
O responsável da matéria explica que a metodologia utilizada será a metodologia ativa de aprendizagem, e vai fazer uso, em especial, de estudos de caso aplicados à legislação, leituras dirigentes, em especial, estudo do caso da pesca transfronteirista, manejo de pesca e sobre a pesca em lagos presentes nas leis da Organização das Nações Unidas (ONU).
Inovação no ensino – Para a coordenadora do curso de Direito da UEA, Taís Bindá, os alunos vão entrar em um perfil de profissionais que possuem multidisciplinaridade, conhecimentos específicos e a racionalidade na resolução de conflitos.
“A disciplina é de uma importância fundamental diante do contexto amazônico em que a UEA se situa. Pretendemos envolver não só as questões afetas ao conteúdo jurídico, mas também revelar as peculiaridades do nosso estado para então ‘estartar’ políticas públicas em favor das pessoas que têm sua subsistência baseada na pesca”, enfatizou Taís.
Em foco na inovação, a UEA será a primeira universidade pública a ofertar a disciplina no curso. “A expectativa é fazer com que os alunos tenham outra percepção e outra maneira de abordar o Direito. Os aspectos culturais da pesca e o manejo pesqueiro associados ao Direito, e não apenas numa perspectiva legal, mas em uma sistêmica, de modo que eles possam se tornar facilitadores de diálogos, contribuindo na resolução dos conflitos socioambientais”, finalizou o professor Denison.

Comentários