Ministério Público investiga se houve superfaturamento em ponto de ônibus de 200 mil reais na Ponta Negra


Ministério Público investiga se houve superfaturamento em ponto de ônibus de 200 mil reais na Ponta Negra

As obras de construção de uma parada de ônibus, localizada na Ponta Negra, pela Prefeitura de Manaus (PMM), se tornaram alvo de Inquérito Civil, a fim de apurar seu suposto superfaturamento. A obra foi inaugurada em agosto do ano passado e teve seu custo anunciado em torno de R$ 207 mil, segundo informações da Prefeitura de Manaus. Normalmente, uma parada de ônibus, da própria prefeitura, custa entre R$ 40 mil e R$ 50 mil. 
Na ocasião da inauguração da obra, o prefeito Arthur Virgílio Neto justificou o valor: "Frescura custa dinheiro", afirmou em entrevista à TV Globo, após o escândalo se tornar nacionalmente conhecido.
O MP solicitou ao Implurb (Instituto Municipal de Planejamento Urbano) o contrato firmado com a WM Construções e Serviços de Manutenção Eireli - ME, responsável pela construção da parada, e o Termo de Recebimento Definitivo da obra. Na portaria, O MP explica que o inquérito está sendo aberto considerando a responsabilidade do órgão em "adotar medidas administrativas e judiciais previstas em lei para a defesa e proteção do patrimônio público e social". 
O diretor-presidente do Implurb, o engenheiro civil Cláudio Guenka, ainda não se manifestou oficialmente. 
O procedimento foi instaurado pela 70ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa e Proteção do Patrimônio Público (70ª Prodeppp), que tem como titular o promotor de Justiça Edgard Maia de Albuquerque Rocha. Na portaria de instauração do IC, publicada no Diário Oficial Eletrônico do MP, a promotoria considera a Notícia de Fato n. 040.2019.002142, apresentada junto ao Ministério Público. Ao Ministério Público de Contas e ao Tribunal de Contas do Estado também foram solicitadas informações adicionais.

Comentários