Checamos: elogios de Josué Neto a Bolsonaro tem expectativas que não viraram realidade


Checamos: elogios de Josué Neto a Bolsonaro tem expectativas que não viraram realidade

O deputado estadual Josué Neto (sem partido) publicou um post polêmico no Facebook. Na tentativa de defender a manifestação contra as instituições, programada para o dia 15 de março, Josué disparou elogios ao presidente Jair Bolsonaro, mas com fatos negados pelo próprio governo federal.

Um deles é que Bolsonaro diminuiu em 1 milhão o número de desempregados em um ano. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado em 24 de janeiro, foram criadas 644.079 vagas em 2019, primeiro ano de mandato do presidente da República. Realmente havia uma expectativa de Bolsonaro pela criação de 1 milhão de vagas formais de trabalho em 2019, mas segundo o próprio secretário de trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcomo, a previsão do presidente não considerava o fechamento (demissão) de 307.311 vagas no último mês do ano.

“O comentário (do presidente) não contemplavam a queda de dezembro. Só quem acompanha de perto o mercado de trabalho sabe que dezembro é um mês de demissões. Mas vamos continuar trabalhando por esse número de 1 milhão de novas vagas em 2020”, comentou o secretário.

Outro elogio de Josué Neto a Bolsonaro é que “o presidente fez com que o modelo ZFM voltasse a crescer”. Apesar do faturamento, até outubro do ano passado, ter chegado a R$ 86,7 bilhões em 2019, contra R$ 93,4 bilhões nos 12 meses de 2018, a média de empregos no Polo é de 88,7 mil trabalhadores nas 443 indústrias do Polo. Em 2014, no auge do governo Dilma, eram 122,1 mil trabalhadores em 492 empresas instaladas no Distrito.

Além disso, decreto de Bolsonaro alterou mais uma vez o IPI dos concentrados, o que pode afastar as fábricas da Coca-Cola e da Ambev do Polo Industrial de Manaus. Tanto o governo do Estado quanto a bancada federal, além de entidades representantes dos empresários, já se manifestaram contrários ao decreto e estudam, inclusive, acionar o Supremo Tribunal Federal para derrubar a medida que pode acabar com o Distrito Industrial.

Como a Aliança para o Brasil, partido que será criado por Bolsonaro não deve concorrer nas eleições deste ano, o parlamentar ainda busca uma nova legenda para disputar a prefeitura de Manaus. Isolado, o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas pode acabar nem sendo mais candidato.

Comentários