Caso Flávio: Seap proíbe entrada de Elisabeth Valeiko em presídio sem passar por cadastro




Alejandro Valeiko, um dos indiciados pelo homicídio do engenheiro da Ambev, Flávio Rodrigues, ocorrido há cerca de dois meses, foi transferido, no último fim de semana, para o CDPM (Centro de Detenção Provisória), na BR-174 (Manaus-Boa Vista), após receber alta hospitalar.

Ele passou mal na última semana e esteve internado por dois dias em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Samel, no Centro de Manaus, com suspeita de rabdomiólise e pneumonia, quadros que não foram confirmados pela equipe médica.

No último domingo, a mãe de Alejandro, a primeira-dama de Manaus, Elisabeth Valeiko, tentou entrar no presídio em um veículo SW4, com alimentação externa para o filho e acompanhada de seguranças em um segundo carro, mas foi barrada, já que não havia se cadastrado.

A situação gerou revolta entre familiares dos presos, que aguardavam em uma fila, do lado de fora, para realizar as visitas. A um veículo de comunicação local, a assessoria jurídica de Alejandro negou que a primeira-dama tenha tentado furar fila e disse que ela buscou informações para passar por cadastro e, assim, ter a entrada liberada.

Alejandro Valeiko e outras cinco pessoas, entre elas, sua irmã mais nova, foram indiciados por envolvimento na morte do engenheiro Flávio Rodrigues, 42, que foi visto pela última vez, com vida, em uma festa na casa de Alejandro, no residencial Passaredo, no Tarumã, em Manaus. Ele cumpre prisão preventiva após ter sido indiciado.

Comentários